12/07/17

07/07/17

Com preguiça te amo

Com preguiça te amo
Encostado à porta
A olhar paisagem sem desfecho,
Se nada mais houver entre quarto e Paris a salto
(os anjos são incapazes do adeus)
Seremos mais que mão no peito,
Cada um para seu lado
Entre poema e ombreira
Com persianas por fechar.

A minha cabeça estará aqui ou acolá
Conforme hora ou medicamento,
Atenta aos anjos do mar num cais sonâmbulo.
Cada um com seu barco à vela,
(amor nocturno, como são todos)
Amantes do diabo a preto e branco,
A lavar os dentes enquanto os peixes dormem.
Fala, diz,
Um beijo será açoite na palma da mão.

Nunes da Rocha

(1957)